segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Pinceladas

0


Ajoelhada em frente à tua campa as lágrimas correm-me livres pela minha face. Sei que já não te verei novamente e nunca mais olharei nos teus profundos olhos azuis.
Passaste anos a sofrer com a tua doença, Parkinson, vi-te decair com o passar dos anos. Ao início tentaste controlar os tremores pintando, existem alguns belos quadros por ti pintados, depois isso já não te ajudava. Nessa altura, tinhas apenas que pegar na tua máquina fotográfica, o teu grande e único amor, para que, mesmo nos teus últimos momentos, para conseguires controlar os tremores e atravessar a rua da tua casa para o jardim da praça com as muletas penduradas nos braços eco passos firmes sem a menor indicação de tremores. Mas, isso era sol de pouca dura, rapidamente as forças lhe faltavam e os tremores voltavam.
Ainda me lembro de ser pequena e morrer de medo do teu dedo sem unha que tinha cortado na guilhotina quando eras mais novo e ainda jogavas futebol no Rio-Ave e tentavas fazer um nome em fotografia.
Tantas viagens, tantos prémios, terão mesmo valido a pena?
A vida não te premiou com filhos, viveste para o trabalho e para nós, as tuas sobrinhas, mesmo que nem sempre te víssemos.
Foste feliz, tudo o que passaste fez-te o homem que relembro aqui. Não consegui vir ao teu funeral, desculpa não fui capaz de te ver assim, queria que a minha memória de ti fosse as que tenho de criança a correr atrás de ti para a câmara escura, onde revelavas os rolos e contavas os seus segredos, quero apenas recordar quando me ensinaste a pintar com os teus pastéis uma bela rosa vermelha e o teu sorriso que iluminava os teus olhos azuis.
Agora vou embora e deixar-te partir, vou seguir a minha vida contigo no meu coração e na minha memória para sempre como aquele homem enorme que brincava e ria como uma criança.
Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário