terça-feira, 3 de dezembro de 2013

[Opinião]“Divergente” de Veronica Roth (Porto Editora)

1


Sinopse:

Na Chicago distópica de Beatrice Prior, a sociedade está dividida em cinco fações, cada uma delas destinada a cultivar uma virtude específica: Cândidos (a sinceridade), Abnegados (o altruísmo), Intrépidos (a coragem), Cordiais (a amizade) e Eruditos (a inteligência). Numa cerimónia anual, todos os jovens de 16 anos devem decidir a fação a que irão pertencer para o resto das suas vidas. Para Beatrice, a escolha é entre ficar com a sua família... e ser quem realmente é. A sua decisão irá surpreender todos, inclusive a própria jovem.

Durante o competitivo processo de iniciação que se segue, Beatrice decide mudar o nome para Tris e procura descobrir quem são os seus verdadeiros amigos, ao mesmo tempo que se enamora por um rapaz misterioso, que umas vezes a fascina e outras a enfurece. No entanto, Tris também tem um segredo, que nunca contou a ninguém porque poderia colocar a sua vida em perigo. Quando descobre um conflito que ameaça devastar a aparentemente perfeita sociedade em que vive, percebe que o seu segredo pode ser a chave para salvar aqueles que ama... ou acabar por destruí-la.

Ficha Técnica:

Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 352
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04381-8

Opinião:

A minha curiosidade em relação a este livro, “Divergente”, nasceu de muita gente já me ter falado dele. Acabei por decidir que chegou a altura de o ler.

A ação passa-se num futuro onde as pessoas se encontram divididas em frações e que pertencem a uma delas. As escolhas que fazem definem a vida que vão ter. A fração esta acima da família.

Mas por vezes surgem indivíduos que não pertencem, ou melhor, que não tem afinidade com apenas uma fração. Esses indivíduos são apelidados de divergentes. Esse e o caso da nossa personagem principal Beatrice.

A historia e narrada por tris, como e tratada ao longo do romance. Isto acaba por limitar muito o desenrolar da ação e o conhecimento do leitor acerca dos eventos. A autora coloca o leitor a descobrir a ordem dos eventos conforme Tris os descobre, deixando-nos deliberadamente as escuras.

Existem muitas personagens no livro e muitas delas são apenas referidas, mas que parece que vão ter um papel qualquer na evolução dos eventos, para além de Tris e do Quatro, são poucas as que estão desenvolvidas e que mostram mais do que a narradora nos mostra.


A evolução da história é lenta e autora dá muita atenção à parte dos treinos o que nos auxilia bastante. Se bem que podia já ter revelado mais acerca da natureza dos divergentes. Espero que no segundo volume a autora no revele mais um pouco acerca da história e responda a algumas perguntas.
Reacções:

1 comentário: