quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

[Opinião] "A Coroa" de Kiera Cass (Marcador)

0



Sinopse:

Este é o volume final da saga «A Seleção», que apaixonou milhares de leitores por todo o mundo! Em A Herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira a passar pela sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração tem uma maneira estranha de surpreender-nos... E agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.

Ficha Técnica:

ISBN: 9789897543401
Edição ou reimpressão: 11-2017
Editor: Marcador
Idioma: Português
Dimensões: 155 x 234 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 272
Tipo de Produto: Livro
Coleção: Marcador
Literatura Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Romance

Opinião:

É com tristeza que  me despedi do Universo de Iléa, este é o último livro de uma saga que achei bastante interessante e que nos faz pensar a nível político  nas classes sociais e nas separações de uma forma extrema. Neste romance vamos acompanhar a história de Eadlyn e a sua selecção, após um evento trágico, esta é obrigada a sair do seu mundo cor de rosa e começar a afirmar-se como governante e tomar as rédias do seu reino.

Gostei bastante desta continuação, mostrou mais do que um romance cor de rosa, emq eu tudo é um conto de fadas e que tudo é muito bonito e linear. Já nos três primeiros romances a autora foi capaz de nos tirar o tapete, mas neste acabou por nos dar a  volta e nos por a duvidar do que iria acontecer de seguida.

A seleção passa a ter um papel secundário, apesar de ainda termos momentos relacionados com esta, mas que já não são tão relevantes. Este é mais um livro de autodescoberta da personagem principal, em que a vemos amadurecer e tornar-se uma mulher adulta, segura de si e das suas decisões.

Quanto ao selecionado, à personagem que esta escolhe para seu companheiro, fiquei bastante contente por ser aquela que sempre pensei desde o inicio do volume 4. O que saiu um pouco dos padrões dos volumes anteriores e que acabará por surpreender alguns dos leitores, mas que depois verão as dicas que foram lançadas pela autora ao longo dos livros e que podem ter sido negligenciados.

Um final muito interessante para uma saga que apaixonou o mundo.

LilianaNovais

[Opinião] "Aquela Luz" de Jay Asher (Editorial Presença)

0

Sinopse:

Sierra quer compreendê-lo. Caleb anseia por se redimir.

Juntos, podem encontrar o verdadeiro amor se tiverem coragem para o aceitar.

Sierra vive no Oregon, onde os pais possuem uma plantação de pinheiros. Quando chega o inverno, a família muda-se para a Califórnia para vender as árvores durante a época natalícia. Sierra tem assim duas vidas: uma no Oregon e outra na Califórnia. Estar numa vida significa deixar a outra, mas isso pouco lhe importa até que um dia, perto do Natal, conhece Caleb, e uma vida eclipsa a outra. Caleb não é o rapaz perfeito. Uns anos antes cometeu um erro muito grave e ainda está a pagar por isso. Mas Sierra consegue ver para além do passado de Caleb e está determinada a ajudá-lo a encontrar o perdão e a redenção.

Um clima de suspeitas, preconceito e desaprovação surge em torno deles, e Caleb e Sierra não conseguem deixar de se interrogar se o amor é realmente suficiente para ultrapassar todos os obstáculos...


Aquela Luz é o novo romance do autor de Por Treze Razões.

Ficha Técnica:

Coleção: Jovem Adulto
Nº na Coleção: 6
Data 1ª Edição: 05/10/2017
Nº de Edição: 1ª
ISBN: 978-972-23-6106-4
Nº de Páginas: 216

Dimensões: 152x231mm

Opinião:

"Aquela Luz" foi o primeiro romance que li de Jay Asher. O que me trouxe curiosidade para o ler, foi a sinopse, achei que a ideia era interessante e gostava de ver como é que o autor a tinha concretizado. Tenho que confessar que o resultado foi melhor que o esperado. Apesar do romance ser bastante curto, acabamos por ter bastante ação e acompanhar a passo rápido a evolução da história, que nunca tem um momento morto.

Começamos por conhecer Sierra, e a sua vida quotidiana, depois somos apresentados ao mês em que ela vai para a Califórnia, onde todo o seu mundo gira em torno do Natal e de árvores. Esta personagem é uma adolescente como tantas outras, com os seus sonhos e desejos, com as suas amizades e com as suas rotinas. Ela nunca se apaixonou verdadeiramente e acaba por ser superprotegia pelo pai, o que gera algumas situações engraçadas ao longo do livro.

O mundo de Sierra é abalado quando conhece Caleb, um rapaz misterioso que vai à venda do pai desta comprar árvores de Natal. Aos poucos, Sierra tenta conhecê-lo melhor e compreender a pessoa que este é. Apesar de nem sempre ter o apoio de quem a rodeia.

Um romance natalício muito interessante e com uma verdadeira história de amor, coragem e amizade que poderá encher o sapatinho de algum de vocês.




LilianaNovais

[Opinião] "O Jardim das Borboletas" de Dot Hutchinson (Suma de Letras)

0



Sinopse:

Perto de uma mansão isolada, encontra-se um jardim com flores exuberantes, árvores frondosas e... uma coleção de preciosas borboletas: jovens mulheres sequestradas e tatuadas para se parecerem com esses belos insectos.
Quando o jardim é descoberto pela Polícia, Maya, uma das vítimas, ainda se encontra em choque e o seu relato está cheio de fragmentos de episódios arrepiantes, no limite da credibilidade.

O que esconderão as suas meias palavras?

Ficha Técnica:

ISBN: 9789896652913
Edição ou reimpressão: 08-2017
Editor: Suma de Letras
Idioma: Português
Dimensões: 147 x 228 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 320
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Policial e Thriller

Opinião:

Apenas tenho uma palavra para definir este livro: Assombroso.

Tenho lido recentemente alguns livros deste estilo, mas sinto sempre que falta algo que o torne excitante e viciante. Mas, em "O Jardim das Borboletas" a autora conseguiu cativar a minha atenção e não consegui descansar até  ter chegado ao final. Tive pena deste ser tão curto, de terminar naquele momento, queria mais. Se bem que o ideal foi ter terminado assim, já que garantiu que o romance tinha um ritmo muito próprio que nos revelava os segredos das personagens de uma forma ponderada mas com a dose certa para nos manter agarrados.

Maya, a personagem principal, deixa-nos curiosos, parece que esconde algo e vamos seguindo a sua narração acerca dos eventos que a levaram até àquela sala do FBI, com aqueles dois agentes, que estão bem caracterizados para a sua função na história. É nestas sessões que duram três dias (as partes do livro), que vamos conhecendo o que ocorria no interior do jardim.

O Jardineiro, raptava pré-adolescentes e levava para o seu jardim, onde as tatuava com borboletas acabando por lhes dar novos nomes, passam a ser objetos do seu prazer, sendo constantemente violadas. Mas como todas as borboletas, também estas meninas têm uma vida efémera, aos 21 anos ele mata-as e coloca-as em resina, expondo-as num corredor macabro, onde ele pode sempre as admirar e relembrar a sua existência.

Um livro que nos mostra o lado mais negro de um ser humano, e aos limites que este pode chegar na sua loucura. Uma excelente prenda de Natal para os amantes de thrillers e policiais.


LilianaNovais

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

[Opinião] "Aristides de Sousa Mendes - Memórias de um neto" de António Moncada S. Mendes (Saída de Emergênica)

0


Sinopse:

O percurso corajoso e inspirador de um homem que salvou a vida de milhares de inocentes

A história do cônsul Aristides de Sousa Mendes, e de como desafiou as ordens de Salazar para salvar as vidas de 30.000 refugiados durante a II Guerra Mundial, é hoje um legado de coragem e nobreza que constitui um orgulho para todos os portugueses.
Mas quem era Aristides de Sousa Mendes? Por trás da figura heroica esconde-se um homem complexo, profundamente íntegro e religioso, devoto à família e ao país, e que foi forçado a fazer uma escolha terrível entre a sua consciência e o dever profissional, sabendo que as consequências para si seriam implacáveis.

Com recurso a um extenso arquivo fotográfico e documental, em grande parte inédito, o seu neto, António Moncada S. Mendes, desvenda o lado pessoal do cônsul e da sua família, lançando assim uma nova luz sobre a figura de um diplomata que se sacrificou para salvar a vida de muitos inocente

Ficha Técnica:

Chancela: Desassossego
Data 1ª Edição: 13/10/2017
ISBN: 9789899987548
Nº de Páginas: 352
Dimensões: [160x230]mm

Encadernação: Capa Mole

Opinião:

Ainda nos dias de hoje nos incomodamos quando se fala do Holocausto, um crime tão grande e tão hediondo que tem nome próprio. Numa carnificina sem precedente milhões perderam a vida nos campos de concentração Nazis, judeus, ciganos, portugueses, alemães, entre tantos outros.

Aristides de Sousa Mendes, nem podia imaginar o destino dos milhares de pessoas que lhe bateram à porta da embaixada naquela fatídica noite a pedir ajuda para fugirem de uma guerra que temiam ser algo mais, rumores de desaparecimentos já rondavam pela Europa e acabaram por fazer com que muitas pessoas fugissem. Salazar, chefe do estado naquela época, vendo o avançar Nazi e temendo agir contra estes, emitiu uma ordem para todas as embaixadas e proibir que fossem emitidos quaisquer vistos para esses refugiados. O cônsul de Bordéus, Aristides de Sousa Mendes, luta com a sua própria consciência para fazer o correto e salvar aquelas pessoas, sabendo que isso lhe custaria o trabalho e possivelmente a vida. A consciência ganhou ao dever e ele acabou por salvar milhares a grande custo pessoal. Numa altura em que ninguém ousava opor-se a Salazar, ele tomou uma atitude.

Foi com grande gosto que li sobre uma  das maiores personalidades portuguesas do século XX, e é com alguma tristeza que vejo que a maioria dos Portugueses e principalmente as camadas mais jovens não o conhecem nem fazem ideia de quem este homem foi e a sua real importância no panorama histórico. Fiquei a saber muito mais acerca deste homem pelas palavras do seu neto, o qual nos mostra não só o cônsul mas também o lado familiar.

Uma excelente prenda de Natal, para quem já estiver a pensar nisso.



LilianaNovais

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

[Opinião] "A Árvore das Mentiras" de Frances Hardinge (Presença)

0



Sinopse:

As folhas eram frias e ligeiramente pegajosas. Não havia engano possível: Faith tinha-as visto meticulosamente reproduzidas no diário do pai. Estava diante da árvore das mentiras, que fora o maior segredo do reverendo, que fora o seu tesouro e a sua maldição.

Quando o pai de Faith morre, em circunstâncias misteriosas, ela decide investigar, para descobrir a verdade que se esconde por trás das mentiras. Procurando pistas entre os seus pertences, descobre uma estranha árvore, que se alimenta de mentiras sussurradas e dá um fruto que revela segredos ocultos. Mas, quando perde o controlo das falsidades que põe a circular, Faith percebe que, se a mentira seduz, a verdade estilhaça.


A Árvore das Mentiras foi o vencedor do Prémio Costa para Melhor Livro do Ano.

Ficha Técnica:

Coleção: Ficção Juvenil
Nº na Coleção: 24
Data 1ª Edição: 03/08/2017
Nº de Edição: 1ª
ISBN: 978-972-23-6085-2
Nº de Páginas: 368

Dimensões: 150x230mm

Opinião:

"A árvore das mentiras" cativou-me pela sua sinopse. Fiquei curiosa em ver do que se tratava, e é claro que a capa ajudou. Repleto de mistério, leva-nos numa viagem por um local remoto, numa época onde ainda se discutia a veracidade da teoria da evolução de Darwin.

O que mais me cativou neste livro foi a aproximação à realidade da época, a forma como as mulheres eram vistas pelos homens e como eram relegadas para um segundo plano e a sua inteligência desacreditada. As justificações para o fazerem, já não nos fazem sentido, mas na época impediam a mulher de avançar e de ser mais do que mãe e esposa.

Faith é uma jovem que não se conforma com o seu estatuto e que, no seu intimo, tenta provar ser algo mais do que o estatuto que lhe é atribuído. Sem grande sucesso para sermos realistas. Os confrontos que tem com as outras personagens relembram-nos de como as mulheres foram abafadas e confinadas durante séculos.

Para além deste aspeto interessante há outro que o iguala, é todo o mistério envolvendo o pai de Faith e a sua morte inexplicável. Isso ainda aumenta o interesse no livro e mas escolhas da filha desde esse momento.

Um excelente livro que nos cativa desde o primeiro momento e que nos deixa ansiosos para ver o final.

LilianaNovais

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

[Opinião] "Até ao Fim dos Tempos" de Danielle Steel

0


Sinopse:

Bill Sweet sempre se sentiu ligado a Deus. A fortuna da família nunca lhe trouxe felicidade. Só quando encontra Jenny, e com ela reconstrói a sua vida numa zona rural como sacerdote, sente ter encontrado o seu destino. Numa outra cidade, mais de três décadas depois, nasce outra história de amor - entre uma mulher amish e o editor nova-iorquino que se apaixona pelo livro que ela escreveu secretamente. Entre dois registos temporais, os anos 70 e o presente, Danielle Steel constrói uma teia de emoções que leva o leitor entre tempos, pondo em causa barreiras temporais e perguntando um amor, quando é verdadeiro, pode de facto tornar-se... eterno.

Ficha Técnica:

ISBN: 9789722533843
Edição ou reimpressão: 06-2017
Editor: Bertrand Editora
Idioma: Português
Dimensões: 148 x 234 x 21 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 304
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros em Português > Literatura > Romance


Opinião:

Já há muito tempo que eu não lia nada desta autora. Este romance mantém-se na linha a que os fãs desta se encontram habituados, sem grande novidade.

Das duas histórias que nos apresenta, gostei mais da primeira, pareceu-me mais realista e interessante do que a segunda. As personagens eram mais reais e credíveis.

A história de Ben e de Jenny é muito interessante e é bem patente o que tiveram de lutar para conseguirem estar juntos e ter um futuro. É um casal interessante, completo e bem desemvolvido. Por outro laso Lillibet e Bob parecem personagens mais planas, pouco desenvolvidas como se não tivessem sido escritas pela mesma autora.

Este livro acaba por desiludir pela segunda parte, quando se tivesse apenas mantido a primeira era um excelente romance do seu estilo.




LilianaNovais